Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, English, Automóveis, Coleções e miniaturas, Corridas



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 Blig do Gomes
 Speed Arosi


 
 
BLOG DO AROSI


ACELERADAS

Esta musica foi originariamente feita para Michael Schumacher, mas o video era ruim, mas achei este outro video remixado e com imagens de Ferraris. Legal para quem curte o som de um F1 e a Ferrari, dentro de uma musica de balada.

http://br.youtube.com/watch?v=nA0HJaf6lxA

Clique e escute as Aceleradas.



Escrito por Speed Arosi às 17h31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



ILUSTRAÇÕES 2

(mm01) O tempo passa mas não perdemos nossas paixões, portanto voltemos ao blog e aos carros e competições...

Seguindo a série de ilustrações, principalmente as automotivas, apresento o grande Mauricio Moraes, conheci através do Bligdogomes e hoje sou frequentador assiduo de seu blog Mauricio Moraes Ilustração. Ele faz de sua arte, uma forma de angariar mais uns trocados, com a venda de posters, portanto se você gostar de algum, envie um e-mail para ele no mau917@gmail.com e encomende.

Mauricio se dedica principalmente a história do automobilismo nacional, e de vez em outra, apresenta a sequencia de suas produções. Vale a pena

Para começar a galeria do Mauricio, este carro que é bastante famoso, o Copersucar FD-001, nosso primeiro carro de Formula 1.



Escrito por Speed Arosi às 16h50
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



DEU NO BLOG ...2

Deu no Blog da Alessandra Alves, umas das melhores escritas femininas sobre automobilismo na atualidade, sobre o que acontece na McLaren após o GP da Itália.

Gosto da McLaren, desde os tempos de Emersom, mesmo sem ele ou Senna, acho uma grande equipe, mas estou sentindo que ela não deveria passar por esse calvário.

Segue o texto da Alessandra


Crocodilo Dennis (?)

.


Primeiro, achei que ele estivesse enxugando o suor. Depois, quando subiu ao pódio para receber o troféu, Ron Dennis deu toda a pinta de estar mesmo com as quatro rodas arriadas. Apesar da vitória de Alonso, do segundo lugar de Hamilton e de sua apresentação de gala, da humilhação imposta à Ferrari em pleno circuito de Monza, da ampla dominação nos Mundiais de Construtores e de Pilotos, de bater recorde de confiabilidade, a McLaren vive sua pior crise.

Independentemente do que aconteça no tribunal da FIA, na próxima quinta-feira, a McLaren está mais suja que banheiro de estádio. Ainda que a pizza esteja pronta para sair do forno, como sinalizam as reuniões dos chefões durante o GP da Itália, Ron Dennis sabe que a casa caiu para ele.

Ninguém parece ter muita dificuldade para aceitar que a Fórmula 1 hoje é mais negócio que esporte. Então, vamos transpor o que acontece na McLaren para um ambiente empresarial, daqueles ultracompetitivos nos quais o aperitivo mais apreciado costumam ser os antiácidos para combater a gastrite.

Quando uma empresa cresce demais, em determinado momento seus donos chegam a um impasse. Para ir além de onde foram por suas próprias forças, precisam captar dinheiro no mercado. Daí arranjam um sócio gigante, ou abrem seu capital. Então não respondem só por si, mas precisam prestar contas ao gigante ou ao mercado de ações. Ron Dennis tem um sócio gigante chamado Mercedes Benz. Alguém pode imaginar o que esse gigante alemão está achando de ver seu nome emporcalhado desse jeito?

Você não estaria chorando também? Por isso, acho que há muito de verdade nas lágrimas de Ron Dennis, enquanto alguns a enxergaram como lágrimas de crocodilo.

Então, passemos a Alonso.

Único campeão em atividade, maior salário da Fórmula 1, fazendo um campeonato consistente rumo a um provável (ou pelo menos muito possível) título. Infeliz, mal-humorado, destemperado em certas ocasiões. O que mais esse cara poderia querer? Está reclamando de barriga cheia? Vai dizer que você nunca ouviu falar de um super executivo, daqueles considerados "um avião" por seus pares, que recebe uma proposta irrecusável de emprego, mil benefícios e mordomias mas, no dia-a-dia, porta-se como o sujeito mais desagradável no trabalho, sendo temido, evitado ou odiado por todos que o cercam? E que, no fundo, arrasta-se infeliz na função que o faz rico e prestigiado?

Você também não ia querer voltar rapidinho para seu lar, para o lugar no qual você era feliz?

Não tenha dúvida, pois melhor que ganhar dinheiro, é ganhar dinheiro fazendo aquilo que gosta, no lugar que gosta.


Escrito por Speed Arosi às 11h59
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



DEU NO BLOG ...1

Deu no Blog... é uma Seção que estarei inaugurando hoje, pois se alguma coisa legal sai por ai, porque não repassar para meus amigos visitantes.

Deu no Blog do Capelli, este ótimo texto sobre ultrapassagens na F1 atual.


Aversão ao risco

Não é de pouco tempo que todo mundo reclama da falta de ultrapassagens na Fórmula 1. Há muito se fala que não há mais tantas corridas emocionantes, que os resultados são previsíveis e que só se ultrapassa pelos boxes. Nem mesmo a temporada de 2007 tem servido para melhorar o ânimo dos fãs. Embora a disputa pelo campeonato esteja apertada na tabela, a mais imprevisível em vinte anos, nem de longe isso vem se refletindo em um campeonato de boas corridas.

A discussão ebuliu um pouco mais nos últimos dias, com excelentes textos de
Fábio Seixas, Alessandra Alves e Victor Martins sobre o assunto. Todos vão direto ao ponto: o regulamento esportivo que não privilegia a vitória, o conseqüente comodismo dos pilotos com uma posição que já lhes garanta pontos suficientes, o regulamento técnico que impede as ultrapassagens. Tudo é muito verdadeiro, mas aproveito para acrescentar um novo viés que julgo dos mais importantes: a aversão ao risco.


Copa 2006 teve recorde de chutes de fora da área e baixa média de gols

No futebol, também se fala há anos que o esporte virou um duelo de força, que
a técnica já não se sobressai mais, que os jogos não são mais tão belos quanto antigamente. No fundo, o mesmo problema: a pouca disposição em assumir riscos. Os times entram em campo preocupados em não levar gols em primeiro lugar; para daí, sim, atacar. Na Copa da Alemanha, houve um número recorde de gols marcados de fora da área. Tudo por causa da forte marcação e posicionamento das defesas, que impediam as jogadas pelo meio e de linha de fundo. A alternativa encontrada? Chutão. Uma hora entra. O São Paulo, atual líder disparado do Campeoanto Brasileiro, é o melhor time do país não porque sabe atacar de forma impiedosa. Mas sim porque se defende como ninguém.

Na Fórmula 1, a situação é um tanto semelhante. Todos buscam a vitória, mas não assumem grandes riscos para obtê-la. Se a posição atual na pista já é suficiente para o campeonato, não há motivo para arriscar chegar em primeiro. O segundo ou o terceiro já está de bom tamanho, corre-se com o regulamento debaixo do braço.

Mudar a pontuação resolveria a situação? Em parte, no momento em que a diferença entre o primeiro e o segundo colocados for grande o suficiente, a vitória passa a ser novamente tentadora. Mas talvez não seja suficiente.

Alterar o regulamento técnico para tornar as ultrapassagens algo mais natural, que não exija um esforço de outro mundo, melhoraria o panorama das corridas? Um pouco, quem estivesse rendendo melhor teria mais chances de vencer o carro mais lento à frente. Mas isso garantiria um show de ultrapassagens? Tenho minhas dúvidas.

Por mais que retornassem os pneus slicks, o reabastecimento fosse proibido e a aderência mecânica voltasse a ser mais importante que a aerodinâmica, dificilmente as corridas seriam tão empolgantes como foram em outros tempos. Tudo por um motivo principal: a Fórmula 1, assim como o mundo, evoluiu.

Muito da competitividade existente no passado devia-se à irregularidade dos competidores. Fosse a instabilidade técnica do piloto, fosse a infiabilidade do equipamento. Para quem já viveu a Fórmula 1 de outras épocas, a lembrança é bastante nítida. Não raramente um piloto largava bem, disparava na frente, mas destruía seu equipamento e passava a arrastar-se do meio da prova em diante. Outras vezes um piloto cansava e, por isso, começava a cometer erros. Outras vezes, o carro começava muito rápido, depois perdia desempenho, mas no final voltava a ser uma flecha e corria em direção à vitória. No meio de todo o sobe-e-desce, ultrapassagens e resultados imprevisíveis.


Renault em 1980: muita velocidade, nenhuma confiabilidade

Se a Williams não sofresse problemas e falhas em 1986, a temporada não teria sido quase que um passeio monótono dos carros do Tio Frank? Se a Renault de 1980, que colocava quase um segundo na concorrência durante os treinos, tivesse processos que garantissem um desempenho contínuo durante as provas, Jones e Piquet teriam chance de brigar por aquele campeonato?

Colin Chapman, tido como o maior gênio da Fórmula 1, teve idéias fantásticas que aplicou nos Lotus 72 e 79, carros que revolucionaram o esporte a motor. Mas fracassou miseravelmente com os Lotus 56 e 80, permitindo a escalada da Tyrrell e depois, da Williams. Se os processos e o desenvolvimento tecnológico e de gestão o tivessem guiado, teria ele colocado projetos tão absurdos em prática, jogando por terra o sucesso de anos anteriores? Certamente não, e os anos 70 poderiam ter sido de hegemonia negra e dourada.

São apenas alguns exemplos, mas que ajudam a ilustrar um período no qual o risco assumido de forma inconseqüente garantia a imprevisibilidade das corridas. Quando tudo já está previsto: estratégias, acertos, ritmo... para onde vai a competitividade?

Como "ápice da tecnologia automobilística", maneira como os organizadores da Fórmula 1 adoram se autodefinir, o profissionalismo entrou de cabeça na categoria. Tanto em termos tecnológicos quanto de gestão. Falhas mecânicas são raras. Semana passada, em Istambul, apenas a Red Bull de Mark Webber abandonou a corrida, mesmo sob um calor infernal. A McLaren igualou seu recorde de confiabilidade, já são doze corridas sem falhas mecânicas em qualquer de seus carros. Michael Schumacher, até o GP do Japão do ano passado, viveu mais de cinco anos sem saber o que eram defeitos em seu carro. Em 2005, o GP da Itália chegou ao final com todos os 20 carros que largaram cruzando a linha de chegada.


Monza/2005: quem largou, chegou

Tudo é resultado do alto nível de gerenciamento de risco adotado pelos dirigentes. Nenhuma peça nova é utilizada em um carro sem que tenha passado por processos rigorosos de controle de qualidade, simuladores testam e orientam os engenheiros quanto às melhores estratégias de corrida, os pilotos preparam-se de tal forma que possuem um vigor físico comparável ao de um astronauta. Um bon-vivant como James Hunt, que bebia, fumava, entregava-se a noitadas na véspera para, no dia seguinte, protagonizar disputas espetaculares, hoje seria inadmissível. Que dono de equipe assumiria tal risco, por melhor que fosse o piloto? Na contingência de tantos riscos, o piloto é o elo mais frágil da cadeia. É ele quem precisa tomar decisões e reagir fisicamente em milésimos de segundo. Você confiaria esta tarefa a alguém que passou a noite anterior bêbado?

O nível de controle que a categoria atingiu foi o que ajudou a destruir boa parte da competitividade. E é esta mesma mentalidade controladora e gestora de riscos que decide se os pilotos devem ou não arriscar uma ultrapassagem ou brigar por posição nas últimas voltas de uma prova.

Infelizmente, não há alteração de regulamento técnico ou desportivo que possa resolver uma contradição tão grande. A gestão de negócios, avessa ao risco por natureza, foi aplicada a um esporte que tem o risco como seu principal ingrediente. Quando o método de gerenciamento aplicado visa evitar justamente aquilo que é a essência do esporte, uma coisa leva à eliminação da outra.

O caminho é sem volta. As mudanças de regulamento, que todos sabemos que urgem, provavelmente tornariam a Fórmula 1 um pouco menos chata e previsível. Porém, jamais teremos novamente aquele festival de imprevisibilidade que nos deixava com a respiração presa até a última curva, sabendo que antes da bandeira quadriculada tudo poderia acontecer.



Escrito por Speed Arosi às 12h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



UM ANO DE FARNÉL

É meus amigos internautas, virtuais ou reais, já se passou um ano que retornei a Interlagos e conheci uma turma apaixonada por carros e corridas como eu, e como diria os futebolistas - Sai na foto! - pois olha eu ai embaixo no post que o Flávio Gomes colocou no seu Bligdogomes.

Já estou com saudades.

10/06/2007 20:51

Um ano, já



SÃO PAULO (saudade é legal) - Alertado pelo sempre alerta Comendador Cláudio Ceregatti, julgo-me no dever de informar que há exatamente um ano estávamos todos felizes da vida por termos transformado em realidade algo que só existia aqui, neste blog, virtualmente.

Hoje fez aniversário nosso primeiro farnel, o encontro destes adoráveis frequentadores do blog em Interlagos, para assistir a uma corrida da Superclassic e torcer para o pobrezinho do #96, que a partir daquela data ganhou torcida, fã-clube, comunidades no Orkut, virou personagem de história em quadrinho, miniatura, figurinha de álbum, arrumou um cara para tirar o pó e uma plataforma exclusiva, e tudo aquilo mais que vocês já sabem.

Mas, muito mais importante, ele reuniu gente. Gente muito boa, que se conheceu e passou a se falar de verdade, gente que contou histórias e gente que ouviu, gente que voltou a Interlagos depois de anos e encontrou outras gentes parecidas.

Ceregatti disse que este ano "parecem dez, de tão rica que ficou minha vida depois desse dia", e me dá os parabéns. Eu sempre digo, e não é para fazer tipo, que tenho muito menos a ver com tudo isso do que vocês, que tiveram a coragem de sair de casa, da frente da tela do computador, para descobrir uma coisa nova e desconhecida no mundo real.

A todos, só tenho gratidão. Os farnéis se repetiram, maiores ou menores, melhores ou piores, mas se transformaram numa doce tradição que este "pseudo-piloto-jornalista" (OK, Comendador, perdoado) aguarda sempre com enorme ansiedade antes de cada corrida.

O próximo, pelo que eu soube, será em Londrina...

Este é o meu comentário que foi escrito no BligdoGomes

Caro FG E CC
Vocês foram mais rápidos do que eu, pois lembrei da data neste final de semana e estaria colocando exatamente esta foto que guardei no meu micro a um ano atrás, no meu blogdoarosi, que tbm foi inspirado por vc FG e muitos outros que conheci neste um ano, tanto na real como no virtual.
Sempre escrevo aqui, que a internet mudou a forma de se comunicar das pessoas, e apesar de ser um mundo virtual, foi através dela que essa turma e muitos outros que por lá passaram nos Farnéis (será que é assim o plural??) fizeram um ano de alegrias reais.
Parabéns a todos nós.



Escrito por Speed Arosi às 21h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



SPEED RACER

Eu sei que apareceu em tudo quanto é blog e site, até entrevista do elenco já apareceu hoje, mas eu não poderia de deixar de expressar minha opinião sobre o desenho animado que durante toda a minha infância me fez ficar "grudado" na televisão e que parcialmente até influenciou minha paixão por corridas de carros, mesmo que distantes das pistas na vida real naquela época.

Além das corridas e suas histórias, adorava os carros, tanto que agora que retomei minha coleção de miniaturas, já estou em busca de uma miniatura do Mach5 e do carro amarelo/preto do corredor X, que com certeza, na época do lançamento do filme e após o mesmo, vamos ter um pouco de tudo para alegria dos aficcionados pelo Speed Racer.

O nick Speed Arosi que utilizo em todos os blogs e fóruns sobre carros e miniaturas que participo, foi baseado no nome desta série de desenho animado, Speed Racer, pois aquela imagem que aparece o pé do piloto afundando no acelerado, exprime tudo o que penso sobre corridas e coloco na seguinte frase - "Para mim, pilotar é sentar a bota, por isso sai da frente" - portanto, não vejo a hora da estréia deste filme, que só pelo fato de ter os produtores de Matrix a frente, já me deixa animado por grandes cenas de ação.

Aliás, o carro 1:1 ficou sensacional.



Escrito por Speed Arosi às 20h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



ILUSTRAÇÕES

Andei meio sumido do meu iniciante Blog, mas espero voltar a dividir minhas paixões e opiniôes neste mundo virtual com mais frequência. Uma dessas paixões são as ilustrações de carros, feitas a mão, na pena e pincél, ou nos modernos computadores que já habitam nosso planeta.

Um dos bons ilustradores (ou designers), que conheci atravé do Blig do Gomes, foi o Ararê Novaes, que curte os carros antigos com cara de invocados, como essa BMW que participa do Campeonato Paulista de Velocidade na categoria SuperClassic.

Em breve coloco outras imagens dessas "feras"



Escrito por Speed Arosi às 21h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



FELIPE MASSA ( Eu já previa..)

Vejam a foto do carro que coloquei no meu Fotoblog em 08/06/2005, não era uma promessa, mas gostei do estilo arrojado e veloz do piloto(quase Mansell) na época, sim, Felipe Massa, quando o mesmo pilotava na Sauber.

Sauber / Massa
Ele ainda vai dar o que falar;  08/06/2005
Publicado por Arosi



Escrito por Speed Arosi às 12h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



STOCK X STOCK

Esta semana foi reativada uma polêmica que se tem tratado sobre o automobilismo nacional nos ultimos tempos e teve como pano de fundo a categoria Stock Car, considerada por muitos como o top do automobilismo, no entanto, na opinião de dois grandes comentaristas sobre o assunto e pelo enorme numero de comentários que foram lançados no Bligdogomes do jornalista Flávio Gomes e no Blog do Estadão do Livio Orichio, vale a pena pensar sobre o assunto.

Vou deixar aqui meu comentário editados nos dois blogs:

"Caraca pessoal.
Essa polemiquinha como chamou o FG, está dando o que falar hein!!!!
Li o texto dos dois, gosto dos dois, gosto de automobilismoa, gosto de carros, mas não gosto muito da Stock, preferiria que fosse Marcas.
Sou mais um, que concorda com o Flávio, assim como tem um monte que não concorda. Mas democracia é isto, isto é Brasil. E olha que faz tempo que não vejo a Globo."

E para elucidar o que muitos já escreveram, vai minha história de uma etapa da Stock aqui em Interlagos no ano passado (2006).

Cheguei cedo como sempre faço em dia de corrida, com uma mochila, lanchinho e suco nas costas, eram umas 7 da manhã, não adianta chegar antes pois não tem bilheteria, deixo o carro em ruas proximas e vou a pé até o portão 7, proximo de lá, vejo uma turma entregando uns bonés e camisetas, pensei - Brindes e posso torcer pela equipe - quando encostei e perguntei se podia ganhar uma, recebi um não, só se tivesse convite do patrocinador. OK vamos comprar ingresso e entrar para escolher um bom lugar na reto dos boxes, de preferência em frente a caixa dágua, quem conhece Interlagos sabe do que estou falando, e passando pela Tribuna já notei que tinha mais seguranças que o normal, primeiro portão tudo verde, jaquetas lindas, bonés, etc, mas só para Medley, depois começa a arquibancada normal, quando vou entrar, levo uma mão no peito e perguntam - Você é assinante do Terra, não, então não pode sentar aqui - OK, vou mais pra frente, proximo portão, vou entrar e de novo um segurança me bloqueia - Tem celular da Nokia - tenho, mas fica com minha esposa, então não pode entrar - resumo da entrada, paguei e fui sentar no meio da reta, isto as 7:oo horas da matina. A partir desse dia, já não esquento mais a cabeça, tento ir na corrida, mas se não der, vejo na TV, sem ouvir o barulho dos carros, sem sentir o cheiro da borracha e da gasolina, sem pegar aquele solão na cabeça, ficar com a bunda dura no cimento, etc... coisas que adoro fazer num domingo de corrida, desde os tempos de Super Vê, que já não voltam mais.

Pensem, opinem e critiquem, este espaço é nosso.



Escrito por Speed Arosi às 15h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Farnél em Interlagos

Como toda corrida de SuperClassics em Interlagos, acontece uma deliciosa reunião dos torcedores do Carro #96 um DKW branco que é uma raridade nas pistas brasileiras, e pelo seu impagável piloto multimidia Flavio Gomes, o qual pude conhecer pessoalmente, após tempos ouvir no rádio e ver pela televisão.

Esse é o #96

Uma turma descontraida e apaixonada por carros e corridas, e eu me incluo nesta turma. De vez em quando estarei escrevendo sobre nossos encontros no chamado Templo do automobilismo nacional, Interlagos. Mas como nesse ultimo que aconteceu, ontem, não pude comparacer, vai o link do Bligdogomes para irem se acostumando com o que acontece por lá.

 



Escrito por Speed Arosi às 10h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Carros e Corridas

Finalmente saiu o Blog do Arosi, ou Speed Arosi, um espaço onde poderei escrever e me comunicar com todos aqueles que, como eu, são apaixonados por carros e corridas, ou simplesmente velocidade, em tamanho real ou em miniaturas.

Sejam bem vindos ao meu espaço virtual da velocidade.



Escrito por Speed Arosi às 12h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]